fbpx

“Brigadistas do Patrimônio” para a preservação histórica

Brigadistas do Patrimônio foi criado pelo INEPAC para defender a história do estado do Rio.


A união de forças em prol da preservação histórica. Com esse objetivo, o Instituto Estadual do Patrimônio Cultural (Inepac), órgão vinculado à secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa, criou o “Brigadistas do Patrimônio”, movimento que vai reunir diversos profissionais da área e amantes da História para buscar a redução dos números de furtos e roubos de estátuas e outros itens históricos no estado. As adesões e denúncias podem ser feitas pelo número (21) 98913-1561, que também possui o serviço de WhatsApp.

O sistema é voluntário e colaborativo, envolvendo membros de todo o estado que serão credenciados. Também existe a programação de ações como mutirões de limpeza. Atualmente, há 1.677 bens tombados em todo o estado. Nas primeiras horas de funcionamento, o “Brigadistas do Patrimônio” realizou a sua primeira ação: uma denúncia contava que um circo estava sendo montado na área da Ponte dos Jesuítas, em Santa Cruz. Com a mobilização, a lona foi desmontada rapidamente.

— Nos últimos anos, tivemos um crescimento dos casos de furtos a patrimônios históricos cada vez mais agressivos, com a utilização de equipamentos como pé de cabra e chave de fenda. Com essa rede, podemos criar ações mais positivas na área, auxiliando o poder público na preservação do patrimônio histórico — disse Claudio Prado de Mello, diretor-geral do Inepac.

A secretária de Estado de Cultura e Economia Criativa, Danielle Barros, exalta a participação popular em uma ação tão importante para a preservação do patrimônio história de todo o estado. “A colaboração da população é fundamental na preservação da nossa história e cultura. Temos uma história muito rica em todo o estado que não pode ser perdida por atos criminosos. A secretaria de Cultura é uma parceira do Inepac em todas as ações”, conta Danielle.

Buscando o apoio da sociedade civil, o Inepac já trabalha com o apoio das Polícias Civil e Federal, além do Ministério Público. No início desta semana, o órgão recebeu uma denúncia sobre o paradeiro da estátua da mãe de Marechal Deodoro da Fonseca, furtada da Glória. “Fomos fazer o registro do caso na delegacia e os policiais fizeram uma busca pelo local indicado juntamente com nossa equipe, mas não conseguimos encontrar as peças. Também circulamos ferros-velhos da área central para alertar sobre a comercialização criminosa desses bens históricos”, completa Cláudio.