fbpx

Brigada do Patrimônio recebe denúncias em redes sociais sobre vandalismo a monumentos históricos 


Criado há quatro meses, o Brigada do Patrimônio tem se tornado um canal importante para a preservação histórica do Estado do Rio de Janeiro. Em um período de pandemia do novo coronavírus, o Instituto Estadual do Patrimônio Cultural (Inepac) tem recebido diversas denúncias dos colaboradores do movimento, através do número (21) 98913-1561, que também possui o serviço de WhatsApp e funciona 24 horas por dia. 

Nos últimos dias, por exemplo, o Brigada do Patrimônio recebeu uma denúncia de vandalismo na estátua de João Caetano, próxima à Praça Tiradentes, no Centro. Inaugurado em 3 de maio de 1891 e levado para a frente do Teatro João Caetano em 1916, o monumento estava solto da sua base, perto de ser removido. O Inepac passou a informação para as outras autoridades, entre elas a Prefeitura do Rio, que encaminhou uma equipe da Secretaria de Conservação para fazer o reparo. No total, o Brigada recebeu mais de 30 denúncias parecidas com essa. 

– Estamos recebendo muitas denúncias de postagens em redes sociais, principalmente no Twitter e Facebook, de ameaças a monumentos na cidade do Rio. Quando isso acontece, verificamos a veracidade das informações e preparamos um relatório, que é passado para o Ministério Público Federal, Ministério Público Estadual, aos órgãos de segurança, como a Polícia Militar e também à Prefeitura. Essa união de forças tem sido importante no combate ao vandalismo – disse Claudio Prado de Mello, diretor-geral do Inepac. 

O Brigada do Patrimônio é um sistema voluntário e colaborativo, envolvendo membros de todo o estado que estão sendo credenciados. Atualmente, há 1.677 bens tombados em todo o estado. Além do canal de denúncias, o Inepac tem realizado debates em suas redes sociais. Neste mês, virtualmente, Claudio Prado de Mello recebeu o escritor e jornalista Laurentino Gomes e o historiador e professor de Direito Diogo Guagliardo Neves para um debate sobre a preservação dos monumentos históricos.